Publicidade

Publicidade

Arquivo de fevereiro, 2010

26/02/2010 - 18:56

Corrida Maluca

Compartilhe: Twitter

Apertem os cintos: foi dada a largada para as feiras de decoração e afins na Pauliceia. Morro de preguiça de encará-las de frente, mas me rendo à sua importância como grandes vitrines de negócios do setor, já que é a oportunidade master para fabricantes, importadores e representantes darem tudo de si. Mais do que movimentar o circuito, a maratona renova o estoque de quase todas as lojas do Brasil: de grandes multimarcas de móveis e objetos, a pequenos armarinhos espalhados aqui e ali. Em todas elas, o percurso exige fôlego e boa edição para separar o joio do trigo – sei que gosto é igual a boa vontade (cada um tem a sua), mas a gente vê tantos box com coisa esquisita que dá vontade sair correndo)… Exaustão à parte, no final das contas, o saldo é positivo – pelo menos para quem, como eu, é tarado por “coisinhas” de cozinha, vasos, espelhos e por aí vai. Então, anote na agenda, navegue pelo site, pleiteie um convite (sim, tratam-se de eventos fechados) e se jogue.

Não sei se terei tempo para visitar alguma delas, mas enquanto não tenho nada de lá para mostrar, adianto as news da gringa. De 7 a 11 de fevereiro, por exemplo, aconteceu mais uma Spring Fair, uma das maiores mecas de utensílios domésticos, em Londres (são 71 mil visitantes por edição). Por lá, grandes redes varejistas se acabam de comprar, como a Marks and Spencer e Selfridges. Espie a minha seleção e, se quiser mais, dê uma passadinha no site www.springfair.com


spring-fair-1Utensílios de cozinha Alessi apresentados na Spring Fair 2010 © Divulgação/Spring Fair

spring-fair-2Xícara da grife Lifestyle © Divulgação/Spring Fair

spring-fair-3Revisteiro, mesa com tampo de vidro e cestas de frutas Alessi; chaveiro Lifestyle © Divulgação/Spring Fair

Mais legal ainda (já que o foco são móveis) é a Stockholm Furniture Fair, que aconteceu entre 9 e 13 de fevereiro, em Estocolmo. Foram 770 expositores de 27 países (a maior parte deles, escandinavos, evidente). Entre móveis lindos e bobagens que tentam aparecer mais pela extravagância do que pela criatividade, ficaram confirmadas as tendências da vez: branco com madeira, muito azul, amarelos para pontuar e cores muito fortes, como framboesa. Tom Dixon, é claro, apresentou novidades como a “Slab Table” em versão super-colorê. www.stockholmfurniturefair.com

stockholm-furniture-fair-2Sofá de maxi tramas Oscar Andersson © Divulgação/Stockholm Furniture Fair

stockholm-furniture-fair-4Poltronas Michael Young para Swedese, Gärsnäs e Offect © Divulgação/Stockholm Furniture Fair

stockholm-furniture-fair-3Mesa 52 Klong © Divulgação/Stockholm Furniture Fair

stockholm-furniture-fair-1As “Slab Tables” de Tom Dixon – pela primeira vez produzidas em multicores – e cadeira de balanço da designer Tanja Krokvik © Divulgação/Stockholm Furniture Fair

Serviço:

20º Abup Show
26/02 a 01/03
Shopping Frei Caneca
www.abup.com.br

16º Craft Design
26/02 a 01/03
Centro de Eventos São Luis
Info: (11) 3644-3508
www.craftdesign.com.br

17º Paralela Gift
26/02 a 01/03
Shopping Iguatemi

40º Houseware e Giftware
De 01 a 04 de março
Expo Center Norte

Autor: - Categoria(s): Design Tags: , , , , , , , ,
24/02/2010 - 11:26

Nova Era Glacial

Compartilhe: Twitter

E a vida continua. Preciso de pouco, muito pouco, pra me divertir. E sou mais vira-lata do que cachorro sem dono quando o assunto é “vamos mudar a cara da casa já!”.

Fiquei em estado de choque quando vi essa e-s-p-e-t-a-c-u-l-a-r linha de stools que o Fabrizio Rollo pinçou em suas últimas caçadas europeias. Dá vontade de penhorar todos os bens que eu nem tenho ainda para comprar um par deles.

verre-acrylique-bleu-nature

Imersos em massa densa de acrílico, tipo ice cube, os gravetos ganham look futurista, como se tivessem sobrevivido a uma nova Era glacial – é a simbiose perfeita entre alta tecnologia e pureza orgânica. Fabricados pela francesa Bleu Nature (a mesma empresa bambambã daquelas luminárias maravilhosas pelas quais eu me derreti em elogios exatamente um ano atrás, clique aqui para ver), eles custam os olhos da cara e ainda não têm previsão de aportar em terras brasilis.

Se você gostou, vai precisar de duas balas na agulha: uma para arrematar a peça, outra para bancar o frete. Procure na www.bleunature.com

Autor: - Categoria(s): Design Tags: , , , , , ,
22/02/2010 - 15:00

Por uma vida menos ordinária

Compartilhe: Twitter

Não importa o quão abrasivo seja o sol. Pra quem vive em Sampa, os dias nessa época do ano sempre acabam cinzentos e, por conta do lixo e de quem se lixa, em águas turvas que congestionam toda e qualquer via pública – principalmente aquela debaixo do nosso nariz. Poderia ser uma metáfora, mas não é: entre uma onomatopeia sem fim de buzinas que podem ser ouvidas aqui da minha janela, já deu pra farejar a enchente e sacar que a coisa vai longe. Pra variar, estico o expediente (ando trabalhando demais ultimamente), mas a concentração me deixou no vácuo…

balanco-tropicalia-patricia-urquiola-micasaPor uma vida menos ordinária: a poltrona “Balanço Tropicália”, da designer Patricia Urquiola, disponível no Brasil através da Micasa © Divulgação

Há momentos em que dá vontade jogar a toalha e ficar “de boa”, como dizem os manos, à toa na vida, vendo a banda passar. Tô numa dessas. Daí, como bom DDA que sou (tenho uma capacidade fora do comum para me refugiar em cantinhos secretos da mente, onde ninguém me encontra), me transportei para outra dimensão, visualizando-me largado à bordo de uma limonada suíça nessa poltrona-casulo suspensa, retro-futurista (modelo Balanço Tropicália, desenhada pela espivetada Patricia Urquiola, à venda na Micasa), no melhor estilo “Mon Oncle” – alguém aí viu o filme do Jacques Tati?

E eis que bate um desejo incontrolável de fuga, de recreio-veraneio na varanda, por uma vida mais colorida – e menos ordinária. Amanhã tem mais cor (e menos down, espero).

+ micasa.com.br

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags: , , ,
19/02/2010 - 13:28

Alexander, o grande!

Compartilhe: Twitter

Salve, salve! Enquanto o calor senegalês quase carbonizou os foliões nos quatro cantos do país, me recolhi em copas na roça, em Help City, aqui pertinho de Sampa. Como estava incomunicável, nem deu tempo de comentar com vocês o assunto que parou o mundo da moda na semana passada: a perda de Alexander McQueen.

alexander-mcqueen-eggchairLook da coleção de inverno 2009 by Alexander McQueen. Ao lado, a poltrona “Egg” em edição limitada concebida pelo estilista. A semelhança da padronagem não é mera coincidência

Mas porque falar dele neste blog? Simples: com seus volumes arquitetônicos, grafismos e geometrias bem traçadas, o estilista britânico transcendeu a esfera do fashion design. Além de excelente cenógrafo (seus cenários de passarela, muitas vezes, eram tão incríveis quantos os looks desfilados), ele também direcionou sua prancheta para a customização de móveis, como esta “Egg Chair”, lançada originalmente em 2002 e reeditada no final do ano passado.

alexander-mcqueen-fbwl-popO estilista Alexander Lee McQueen (1969 – 2010). A foto acima recebeu tratamento artístico do talentosíssimo amigo Romeuuu, autor do blog From Brazil, With Love © Romeuuu

Para arrematar as devidas homenagens, com a palavra André Rodrigues, editor do portal FFW, sob medida para o InCasa:

“Não conheci McQueen, não tenho nenhuma roupa assinada por ele, nunca o entrevistei, não trocamos e-mail, nem estive em nenhum dos seus desfiles. Gostaria de ter sido eleito, como foram Isabella Blow e Björk, duas de suas melhores amigas. Ou sortudo, como foi a editora de moda Katie Grand, uma de suas contemporâneas. Mesmo assim o seu legado me atingiu de frente, com força total, me colocou de joelhos – posição à qual retornei em cada uma de suas apresentações. Sua visão além da moda, seu talento subversivo, sua atração pelo bizarro, seu teatro de horrores. O nonsense nunca fez tão sentido nas passarelas da moda. Parafraseando Chuck Palahniuk (autor da obra “Clube da Luta”): “O objetivo da vida não é viver pra sempre, mas sim criar alguma coisa que vai durar pela eternidade“. Sinto muito pela família e pelos amigos que precisam conviver com a perda trágica. Sinto também pela moda, mundinho onde escolhi desbravar meus caminhos. Estamos de luto. Sem previsão de término. R.I.P. Alexander McQueen.”

+ alexandermcqueen.com

Autor: - Categoria(s): Design Tags: , , ,
11/02/2010 - 22:57

Cobogó

Compartilhe: Twitter

Semana passada falei com o Fernando Campana, que tá correndo mais do que nunca (ele estava afivelando as malas para mais uma temporada europeia de trabalho árduo ao lado do mano Humberto). E quando eles dão duro, os maníacos por design agradecem. Entre as novidades da safra, por exemplo, os big brothers lançam (pela italiana Plus Design) essa mesa “Cobogó”. Sacou o nome tupiniquim?

cobogo-table-irmaos-campana

O cobogó, aquele tijolo de cerâmica ornamentado e vazadinho, super usado no Brasil para filtrar a luz solar e permitir boa ventilação, empresta mais do que o nome e a inspiração para a peça, já que entra  em cena como elemento fundido ao tampo, interrompendo a superfície plana com desenhos irregulares. Os Campana exploram esse recurso arquitetônico com poesia: a luz que passa pelo cobogó projeta uma sombra rendada no chão, linda de ver.

+ Veja mais no www.plusdesigngallery.it

Autor: - Categoria(s): Design Tags: , , ,
09/02/2010 - 20:16

Ouriço

Compartilhe: Twitter

Outro dia, folheando uma AD Espanhola de alguns meses atrás (adoro revistas novas, mas as velhas têm um gostinho especial, né?),  descobri o trabalho do designer inglês Oliver Tilbury (www.olivertilbury.com). Sangue novo no mercado, ele tem um pé na produção contemporânea e outro no surrealismo. Resultado: muitos pés descolados, como os 31 de madeira de manejo (do tipo Fraxinus Americana) que compõem a base dessa “Burst Chair” (em português, cadeira explosiva). Um ouriço cheio de panca para dar um toque divertido na decoração. Quem quer?

oliver-tilbury-burst-chair

Autor: - Categoria(s): Décor, Design Tags: , , , ,
05/02/2010 - 12:59

Laranja Mecânica

Compartilhe: Twitter

alessi-apostrophe-3

Um gomo da minha laranja para quem adivinhar para que raios serve essa “apóstrofe” metálica aí em cima. Dou-lhe uma, dou-lhe duas, dou-lhe três…

alessi-apostrophe-1

…Sim, é um descascador de laranjas! Zé Renato Maia, meu diretor de arte predileto, recém-chegado de périplo em Roma (do qual escapei por muito pouco, infelizmente), acaba de me presentear com este mimo da Alessi – amo tudo o que leva a assinatura dessa marca italiana descoladíssima.

alessi-apostrophe-2

Desenhado por Gabriele Chiave em parceria com o estúdio LPWK, a peça é resultado de uma mega investigação da designer com utensílios de mesa nunca imaginados antes. Não se deixe levar pela aparente inutilidade da peça. Ontem comprei um saco de laranjas só para fazer strip nas frutinhas. Tá aprovadíssimo – e eu, bombado de vitamina C.

orange-furniture-casa-vogue-allexincasa

+ alessi.com

Autor: - Categoria(s): Design Tags: , , ,
03/02/2010 - 10:30

Décadence avec elegance

Compartilhe: Twitter

Chegou a vez de detonar o design, no melhor sentido da expressão. Quem dá a dica é Sergio Zobaran, decano do décor (um dos meus jornalistas prediletos, inclusive), que ensina que “a décadence avec elegance” é a tendência da vez.

Décadence avec elegance 3Cadeira verde da Conceito: firma casa;  sofá da tre-uni; mesa lateral / de apoio da ,ovo

Olho no texto que ele escreveu sob medida para o In Casa:

“Em altíssima no mundo que dita a decoração (= Europa, onde o estilo é denominado ‘shabby’ na Inglaterra, ‘pauvre’ na França, ou ‘povero’, na Itália, mas sempre seguido de ‘chic’), estão os móveis detonados,  com aquele algo mais que apenas a pátina do tempo. Normalmente são um destaque na casa, mas com cuidado, para “seu cafofo não ficar com uma cara brecholenta”, como me disse o colecionador João Pedrosa, antecipando a minha mudança de casa mais recente – e o modismo. Mas agora eles aparecem direto, e preenchem até lugares públicos, como um restaurante inteiro: o Derrière, em Paris, detonadaço em todos os seus ambientes, como os de uma casa.

Décadence avec elegance 1Mesa bandeja da Oficina de Agosto; cadeiras da Vila Nova; vaso da l’oeil

O que antes era encoberto, como um buraco na forração de couro de um sofá Chesterfield, agora é explícito, fazendo charme decadente e contrastante em um ambiente moderno, por exemplo. Além dos couros, os tecidos dos estofados podem permanecer os mesmos, velhos, ainda que poídos, rotos, esfarrapados, ou mesmo as suas imitações envelhecidas propositalmente. E vale ainda a forração nova feita em saco de aniagem, para reforçar o conceito. As mesas e cadeiras antigas de ferro, que um dia estiveram ao tempo, nos jardins, entram em casa no estado em que lá foram abandonadas – ou seja, azinhavradas, enferrujadas. As madeiras nem sempre ganham restauração sob este novo olhar, uma releitura (sorry!) excêntrica que Juliana Benfatti sempre fez tão bem em sua loja-garimpo sofisticado paulista. Ouça ainda Christian-Jack Heymès (que adora um restauro, mas mantém alguns exemplares ‘no estado’ em seu antiquário Patrimônio, nos Jardins): “preste atenção desde a arte – duas das mais famosas obras mundiais que estão no Louvre foram mantidas como encontradas: a Vênus de Milo e a Vitória de Samotrácia”.

Portanto, veja bem: nada em arte e decoração é tão novidade assim. Afinal, quem cresceu nos anos 1960 viu passar a moda do decapé (reveja exemplares novos na Artefacto Beach&Country), e dos espelhos oxidados, contanto que tivessem boas molduras – e, ainda nos 1970, eles ornaram paredes inteiras nas boates, halls de entrada e lavabos do primeiro time. O secular mobiliário da Provence também ganhou novamente espaço em lojas especializadas, entre nós, a partir dos 80, com seu ar branquinho, porém desgastado. Mas o excesso do seu uso praticamente nos fez enjoar dele, ainda que continuem a existir e até mesmo a ganhar novos endereços. O espírito do eixo Tiradentes-Vila Madalena preencheu ambientes de móveis supostamente velhinhos, ou envelhecidos artificialmente por sucessivas pinturas (e descascamentos) de cores diversas. Encheu também – com raras exceções originais ou muito bem (re)feitas, como tudo o que vinha da Jacaré do Brasil, ainda viva em Trancoso, mas sem sua filial paulista.

Décadence avec elegance 2Seleção de móveis patinados e em madeira de demolição, tudo da Artefacto Beach and Country

Enfim, agora é a vez dos detonados, encontrados desde os brechós, passando pelas vendas em garagem, família muda-se, etc, e nos antiquários mais sofisticados. Até quando a moda dura? Sei não… se as peças forem ricas de origem (em estilo e material) acho que por muito tempo. Tanto quanto a qualidade de seus móveis… Como diria o dono de antiquário e decorador belga Axel Vervoordt: “qualquer peça, se é boa, tem uma eterna contemporaneidade”.

Autor: - Categoria(s): Casa Vogue, Décor Tags: , ,
02/02/2010 - 19:02

O canto das sereias

Compartilhe: Twitter

Tava aqui ouvindo um batuquinho vintage da Marisa Monte (“Oguntê, Marabô, Caiala e Sobá, Oloxum, Ynaê, Janaina e Yemanjá…”) e já emendei uns pontinhos de macumba que a-d-o-r-o na voz da Bethânia. Já ouviu? Assino e dou fé – joga no Google e confere, ou clica no vídeo do You Tube que colei lá embaixo.

Dois de fevereiro ensolarado no ar (até o temporal não despencar, pelo menos), com todos os caprichos que ela, senhora de todas as águas, tem direito.

Enquanto os devotos despacham suas oferendas a Iemanjá em todo o litoral brasileiro (principalmente lá em cima, nas enseadas baianas), faço minha mandinga aqui mesmo, com essa seleção de cerâmicas azuis (cor predileta da mãe dos mares), pinçada da italiana Bitossi  (www.bitossiceramiche.it).

bitossi ceramiche 1

Uma das mais tradicionais fábricas de cerâmica da Itália (que a partir dos anos 50 ganhou fama ao incrementar as vitrines mais badaladas do mundo, como Bloomingdale’s, Harrods, Galeries Lafayette, Takashimaya e por aí vai), a firma funciona desde 1921 sob o domínio de uma família que dedicou-se desde sempre ao ofício. Hoje, a herdeira Flavia Bitossi coordena a linha de produção, que contempla tanto criações exclusivas da grife como reedições de Zanini, Fornasetti (tem algo mais bacana do que Fornasetti no mundo?), Sowden, Du Pasquier, Palma e Vannicola, entre outros figurões. Não são incríveis?

bitossi ceramiche 2

Nem deu tempo de terminar o post: agora sim, chove a cântaros na capital. Se tivesse um barquinho, faria meu agrado para a mais glam dos orixás aqui na esquina da Avenida Brasil mesmo, já que a Paulicéia anda vivendo dias de correntezas, canais e pântanos urbanos de fazer inveja a Veneza.

Autor: - Categoria(s): Décor, Design Tags: ,
Voltar ao topo