Publicidade

Publicidade

15/10/2009 - 19:33

Caruaru

Compartilhe: Twitter

marcelo-rosenbaum-caruaru-3

No universo criativo de Marcelo Rosenbaum (www.rosenbaum.com.br), o Brasil é grande. É verdade que a cultura pop, os japonismos e o olho na vanguarda sempre estiveram ali, mas quando o designer colocou o pé na estrada para desbravar nossas veredas e redesenhar o sonho de gente humilde país adentro, a imersão na nossa cultura foi imediata (quem já viu o “Lar, Doce Lar” do Caldeirão, sabe do que eu tô falando).

Sua nova coleção, produzida pela indústria Artefama (www.artefama.com.br) e comercializada com exclusividade pela Micasa (www.micasa.com.br), é composta por móveis inspirados no improviso da Feira de Caruaru, no agreste de Pernambuco, um dos maiores mercados livres do mundo, patrimônio cultural do Brasil, há mais de 200 anos.

marcelo-rosenbaum-caruaru-1
Composta por 18 peças (mesa, poltrona, banco, cadeira, raque, estante, bufê, armário, cabide e lanterna de chão, entre outras), a coleção resgata os fundamentos construtivos e shapes dos mobiliários de exposição da feira. Trabalhadas em madeira pinus cultivada, as peças ganham os tons de amarelo sol do agreste, de azul céu, de cinza guará, de verde mandacaru, preto carcará ou laranja caju – em algumas peças, inclusive, foram usadas cordas em fios de pet reciclados.

marcelo-rosenbaum-caruaru-2
O sotaque fica ainda mais acentuado com um toque customizado: boa parte dos móveis foram estampados com xilogravuras exclusivas de J. Borges, um dos maiores artistas populares do Brasil, mestre na ilustração da literatura de cordel, também criador do logotipo CARUARU.

“A Linha CARUARU é uma homenagem ao pensamento simples, autêntico, que permite reinventar-se todo dia. Traz essa riqueza tão abundante Brasil à fora, para dentro de nossas casas, como exaltação da essência do popular brasileiro”, diz Rosebambambã.

marcelo-rosenbaum-caruaru-4

Autor: - Categoria(s): Design Tags: , , ,
01/07/2009 - 23:09

O veneno antimonotonia de Rosenbaum

Compartilhe: Twitter

Em sua carreira meteórica, Jean Michel Basquiat conseguiu um feito e tanto: pixou seu nome com letras garrafais no muro da contracultura norte-americana, nos coloridos anos 80 (quando quase toda a subversão setentista já havia ecoado pelos quatro cantos do planeta). Gênio precoce, badalado e festejado aos 19 anos, morreria pouco mais tarde, aos 27, depois de uma vida de glam e excessos, regada a sexo, drogas, grafitti e rock’n roll. Basquiat namorou Madonna, foi amigo de Andy Warhol e teve muito mais do que quinze minutos de fama: sua marca ficaria impressa para sempre no circuito, como uma das figuras mais originais da arte contemporânea.

Quando nos sentamos para bolar o conteúdo da já tradicional edição de arte de Casa Vogue, nossa diretora Clarissa Schneider teve o insight: “Vamos convidar Marcelo Rosenbaum para interpretar um ambiente à Basquiat”. Bingo! Ninguém melhor do que ele para encarar o desafio. Sou fã número um do Rosebambambã por vários motivos: ele tem uma verve criativa cheia de gás; inventa moda sem nenhuma pretensão; converte o ordinário em extraordinário num piscar de olhos; é moderno até o tutano sem dar as costas para a cultura popular brasileira; é pop porque fala com a elite e com o povão com um carisma infinito; não segue padrões convencionais e subverte a estética o quanto pode, sempre que pode, entre outros adjetivos. Mas o que mais me surpreende em seu trabalho é a entrega absoluta. Com um briefing nas mãos e a liberdade de sempre na cuca, Marcelo inventou um Basquiat tão legítimo que podemos sentí-lo no espaço – tipo loft nova-iorquino, total 80s. Fui lá acompanhar tudo de perto, boquiaberto com a mistura fina: o grafite, a street art, os pneus empilhados, os móveis de design, os tribalismos, as projeções em video, a fusão luxo-lixo… Sem falar no look new-wave com direito a Louboutin-agulha-vermelho-vertiginoso onde a modelo Isabella Melo (adoro esse link fashion-decorex) tentava se equilibrar fazendo a linha “musa de Basquiat”, produzida pelas poderosas Verena Bonzo e Jéssica Juliani.

Sempre faço questão de assinar os textos que publicamos sobre o Marcelo em Casa Vogue. Mas, desta vez, justamente buscando um distanciamento mais crítico (e talvez menos inflamado), encomendei o feito a um dos nossos colaboradores prediletos, o Sergio Zobaran, que chegou chegando no título: “Vida louca vida.” Para te deixar com água na boca e fazer você sair correndo agora até a banca mais próxima buscar a sua revista predileta com a superprodução de Rosebambambã na íntegra, antecipo aqui alguns registros do Romulo Fialdini (outro de nossos colaboradores prediletos) e uma impressão zobaraniana (não menos empolgada do que a minha):

O Marcelo Rosenbaum não produz apenas lares, doces lares na TV. Como anda muito global, e lá dizem que ‘quem sabe faz ao vivo’, ele montou, para este especial de julho da Casa Vogue, um editorial sensacional: um real loft novaiorquino (um ambiente só, pédireito alto and so on) em homenagem ao Basquiat – em pleno bairro de Pinheiros, SP. Mais precisamente em seu genial escritório-galpão, uma antiga gráfica. E lá fui eu estudar a vida deste artista plástico muito louco que era o norteamericano Jean-Michel Basquiat (claro que, na minha pesquisa além-google, li que era haitiano, e por aí vai… mas haitiano era o pai, daí o nome francês!), antes de entrevistar o Rosenbaum, que já conhecia desde os tempos politicamente incorretos em que assinou um fumoir para a Casa Cor, idos de 2003. A produção incrível desta sofisticadíssima toca foi de parte a parte: no nosso time, um aparato com direito a stylist, produtora e assistente, beauty maker & assistant, fotógrafo, modelo magérrima-cabelão-lata de spray na mão, diretora de redação, editor-chefe (os meus chefinhos), e eu, o repórter… No coletivo dele, uma penca de designers, artistas e produtores modernos e antenados também (people like us). Resultado: o fera Basquiat, que só viveu 27 anos, entre 1960 e 1988, ganhou um ambiente incrível e a cara dele, por tudo que li e vi no livro que o Wair de Paula me emprestou (e seu trabalho me fez lembrar mais uma vez de Alex Vallaury, Leonilson e Jadir Freire, entre outros tantos pós e contemporâneos dele, grafiteiros ou não), e pelos móveis, obras de arte e objetos selecionados a dedo para compor o décor – em que dá vontade de ficar pra sempre. A inspiração do texto, além de tudo de bacana à nossa frente, foram as músicas de época do Cazuza, anos 80 na veia. Afinal, além de tudo (grafites e heroínas como Madonna em sua cama), nosso herói morreu de overdose, como outros da letra J da vez: Jimmy Hendrix, Jim Morrison e Janis Joplin. A vida foi breve, as marcas para sempre. Só não passe a perceber Basquiat em tudo o que agora vê por aí. Garanto: tem tudo a ver, sim, com o que vemos/vivemos hoje – só que de forma mais mainstream. Mas estes sintomas passam em um mês. A matéria fica: linda e ali registrada na Casa Vogue. Aprecie com moderação…

Atenção: a capa que eu colei acima não é a que está nas bancas – escolher capa é um trabalho complicado: colocamos mil opções na frente, consultamos gregos e troianos, votamos e estudamos os prós e contras de cada uma delas, antes de determinar a eleita em si. Mas acho esse estudo tão genial, mas tão genial, que quis dividir com vocês. Clarissa teve a ideia do spray na mão da modelo garfitando o logo, e acrescentou o arranjo de flores de plástico à produção de Rosenbaum; Zé Renato entrou com o recorte e com o “A” estilizado da “Anarquia”. Romulo e Marcelo dirigiram a top com toda a ginga. Demais, não?

Para fechar o post no melhor estilo “Vida louca, vida breve”, escolhi um flashback do balacobaco. Clarissa e eu comentávamos agorinha, que nada mais Basquiat na música brasileira do que Cazuza. Zobaran fecha no discurso. Àqueles que, como eu, cresceram nos 80s, um salve com uma das frases mais definitivas (e suicidas) da nossa poesia-pop-cantada: “vida louca, vida breve, já que eu não posso te levar, quero que você me leve”:

Autor: - Categoria(s): Casa Vogue Tags: , , , , , , , , , , , ,
19/06/2009 - 17:01

Chiclete

Compartilhe: Twitter

Plugada em tudo o que acontece no universo plástico, a Melissa (www.melissa.com.br) sempre capricha na produção do seu já tradicional lounge na SPFW. A marca da sandalhinha com cheiro de chiclete aterrissou na 27ª edição do evento sob a chancela de Marcelo Rosenbaum (www.rosenbaum.com.br), que bolou uma espécie de túnel do tempo com os ícones da marca em diversas formas, celebrando seus 30 anos de riscado. No teto, monitores formam um painel nos quais vídeos antigos são projetados constantemente. Nas paredes laterais, o logo Melissa 30 anos, em moving light, passeia pra lá e pra cá, enquanto os comercias mais expressivos da grife também são exibidos full time, lembrando seu pioneirismo no design de plástico.

Isso foi o que deu pra ver – o ambiente tava tão tumultuado, mas tão tumultuado, que eu achei que estivessem distribuindo sapatinhos de brinde (e, de fato, estavam). E as melisseiras de plantão já testaram e aprovaram a nova roupagem da Galeria Melissa lá na Oscar Freire (depois mostro aqui). É Rosenbaum na cabeça!

Autor: - Categoria(s): Décor, Design Tags: , , , ,
23/03/2009 - 12:18

Capi(pop)tonê

Compartilhe: Twitter

Mais uma do bambambã Marcelo Rosenbaum: sofazões sob medida para a Mannes, fábrica de colchões, estofados e espumas do Sul do Brasil que agora aposta as fichas no design assinado para hypar os seus produtos.

Com aquela verve pop-retrô que é mais do que marca registrada do seu traço, Rosenbaum bolou quatro modelões para a empresa: Goma (sofá com módulos que se unem para variar o tamanho ao gosto do freguês); Libra (poltrona e sofás de 2, 3 e 4 lugares); Coroa (poltrona de dois braços, encostos alto e baixo, e sofás de dois e três lugares); Capa (sofá com assentos para um, dois ou três lugares e a opção da chaise).

Com variedade de cores e tecidos, dá para escolher entre linho, couro, algodão e neoprene. Na foto, shape colchão-capitonê estilizado, em look prata da casa, bem no clima desta segunda-feira preguiçosa.

Autor: - Categoria(s): Décor, Design Tags: , , , ,
26/09/2008 - 10:19

Nos domínios de Testino

Compartilhe: Twitter


Já faz alguns meses que eu voltei do Peru, mas quando estive lá, a organização da Casa Cor já estava meio que mobilizando Lima, a capital, com toda pompa e circunstância, para receber esse mega-evento que começou anteontem e vai até 2 de novembro.

Surpresa I: Marcelo Rosenbaum, o tal, é o único brasileiro a participar da festa dos hermanos, assinando o Loft do Jovem Colecionador de Arte. “O espaço está super bacana, é o olhar dele sobre a cultura peruana, os artesões, as galerias de arte e as pessoas do lugar”, contou a fofíssima Bia Azevedo, a big profissional por trás da Marqueterie, que cuida da comunicação do Rosenbambambã…

Surpresa II: Na festa de inauguração, Mario Testino, fotógrafo peruano velho conhecido dos voguetes mundo afora, amigo de Madonna e Anna Wintour, era só alegria no ambiente do Marcelo. Nada estranho, considerando que ele é entusiasta de novidades. E, vamos combinar, Rosenbaum entende do riscado…

Autor: - Categoria(s): Arquitetura, Artes, Décor Tags: , , , , , ,
Voltar ao topo